keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Após ajudar a furtar loja, homem inventa para polícia que foi ‘sequestrado’ em Itajaí

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça e elucidou um falso sequestro, apontando também a autoria de uma tentativa de furto a banco na Vila Operária, em Itajaí. O fato ocorreu na madrugada de 11.04.2020, quando um homem de 33 anos e mais três pessoas, mediante arrombamento, furtaram uma loja de cosméticos e tentaram furtar um banco, na localidade da Vila Operária.

A partir daí, iniciou-se a investigação pela Divisão de Investigação Criminal (DIC). Após apuração, foi possível inferir que um dos executores do crime foi um homem de 33 anos. Isso porque, ao ver uma notícia veiculada em um jornal local, o homem procurou a Delegacia de Polícia e registrou um Boletim de Ocorrência mencionando que teria sido sequestrado e obrigado a realizar os atos que os outros criminosos lhe determinavam.

O álibi trazido pelo comunicante (autor) destoava de tudo que já havia sido apurado no inquérito policial, onde foi devidamente comprovado que se tratava – na verdade – de uma falsa comunicação de crime com o intento de desvirtuar a atuação policial da real autoria delitiva. Deste modo, cumpriu-se um mandado de busca e apreensão na residência do autor a fim de coletar mais elementos informativos e de provas, onde foi possível confirmar a tese inicial levantada pela Polícia Civil acerca da autoria.

Interrogado na sede da DIC, ao ser confrontado com os elementos da investigação, o autor confessou os fatos a ele imputados, inclusive, confirmou que registrou um “falso sequestro” para se eximir da responsabilidade criminal. O autor foi indiciado pelos crimes de falsa comunicação de crime e também pelo delito de furto qualificado. O inquérito policial foi concluído e remetido ao Judiciário.

Mais notícias