keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Caminhoneiro catarinense é morto durante assalto no Rio de Janeiro

O caminhoneiro é de São Bento do Sul, cidade que fica no Planalto Norte de Santa Catarina

X
Arquivo Pessoal

Silvino Stracke, caminhoneiro de 45 anos, foi morto a tiros no Rio de Janeiro. A vítima foi morta durante um assalto na manhã do último sábado (20). O caminhoneiro é de São Bento do Sul, cidade que fica no Planalto Norte de Santa Catarina.

A vítima chegou a dar entrada no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na cidade do Rio de Janeiro, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de atendimento.

Nas redes sociais, amigos e familiares lamentaram a morte do motorista. Ele é sepultado na tarde desta terça-feira (23) no Cemitério do bairro Lençol, em São Bento do Sul. Silvino deixa esposa e quatro irmãos.

Fonte: Clicsc

Segurança

“Rebite, cocaína e remédio tarja preta”: Caminhoneiro que bateu em moto disse que estava em um sonho

O homem foi preso em flagrante e está detido na Central de Polícia aguardando a análise do judiciário

Segurança

PM encerra festa clandestina e apreende violão

Conforme a Polícia Militar, esta foi a única ocorrência durante o primeiro dia do final de semana

Segurança

Mulher que foi atropelada por carreta na BR-101 está internada em estado grave

A mulher ficou caída da pista e sofreu ferimentos graves

Segurança

Caminhoneiro bate em motocicleta e dirige com moto grudada no para-choque e motociclista agarrado na porta

O caminhão teria passado por cima da mulher e a moto ficou presa na frente da carreta

Segurança

Homem é morto com três facadas dentro de casa em Camboriú

A Polícia Civil, IGP e IML foram acionados e compareceram no local. Ninguém foi preso

Mais notícias

coronavirus

São Joaquim decreta lockdown de uma semana

Objetivo é retirar a circulação de público e evitar a propagação do vírus

Segurança

“Rebite, cocaína e remédio tarja preta”: Caminhoneiro que bateu em moto disse que estava em um sonho

O homem foi preso em flagrante e está detido na Central de Polícia aguardando a análise do judiciário