keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Cidasc alerta para o risco do consumo de leite cru

Inúmeros patógenos podem ser veiculados pelo leite sem pasteurização e acometer a saúde do consumidor, como Brucelose, Tuberculose, Salmonelose, infecção por Escherichia coli, Listeriose, entre tantas outras.

X
Foto: Divulgação Cidasc

A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc – alerta os consumidores sobre os riscos à saúde pela ingestão de leite cru sem pasteurização. No Brasil, a venda de leite cru direto ao consumidor é proibida em todo o território nacional desde 1969, conforme o Decreto – Lei nº 923, de 10 de outubro de 1969.

A comercialização do leite cru ou de algum derivado lácteo produzido com leite cru no mercado informal representa um risco à saúde dos consumidores, pois não há garantias de inocuidade destes alimentos. Inúmeros patógenos podem ser veiculados pelo leite sem pasteurização e acometer a saúde do consumidor, como Brucelose, Tuberculose, Salmonelose, infecção por Escherichia coli, Listeriose, entre tantas outras.

De acordo com a médica veterinária Alexandra Reali Olmos, responsável pela Coordenação de Inspeção de Leite e Derivados, muitos consumidores buscam esses produtos pelo apelo do consumo de alimentos naturais, isentos de processo industrial. “O consumidor acaba comprando os produtos ditos ‘caseiros’ por acreditar que o processo de industrialização afeta sua qualidade. O consumo de leite cru apresenta graves riscos à saúde e tem sido responsável por focos de doenças transmitidas por produtos lácteos sem pasteurização. A pasteurização do leite cru evita a propagação de doenças zoonóticas transmitidas pelo leite e o consumidor deve ficar atento, pois elas são um perigo invisível e podem estar presentes nos produtos sem inspeção”.

Apesar dos lácteos serem um alimento nutritivo e apreciado pelos catarinenses, o leite cru e seus derivados são ideais para o desenvolvimento de grupos de bactérias que podem causar alterações sensoriais e tecnológicas e, quando patogênicos, danos graves à saúde pública.

Santa Catarina se destaca no cenário nacional como quarto maior produtor brasileiro de leite e registra crescimento recorde na produção ano após ano. O leite é um dos destaques do agronegócio catarinense. Desde a propriedade até o laticínio, a Cidasc amplia os controles para erradicar a brucelose e a tuberculose em seus rebanhos e incrementar a qualidade desta importante matéria-prima.

A competência da fiscalização da inspeção dentro dos laticínios registrados no Serviço de Inspeção Estadual – SIE é da Cidasc, através do Departamento Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal – Deinp. Já no comércio, a fiscalização da venda destes produtos é de responsabilidade das Vigilâncias Sanitárias.

“É importante que o consumidor também faça a sua parte: na hora da compra, ele deve observar a presença obrigatória do selo de inspeção municipal, estadual ou federal (SIM, SIE, SIF), que assegura o controle sanitário e a qualidade dos alimentos adquiridos. O consumidor deve somente consumir leite e seus derivados inspecionados e denunciar a prática irregular do comércio clandestino de produtos de origem animal.”, alerta a médica veterinária Alexandra Reali Olmos.

Venda legal de queijos de leite cru

A produção e a comercialização de queijos de leite cru são regulamentadas e propiciam o consumo de queijos crus inspecionados e, portanto, seguros à saúde!

O selo de inspeção é imprescindível para garantir que o queijo de leite cru foi produzido com os devidos cuidados sanitários, desde o controle da saúde das vacas leiteiras, a higiene da ordenha, adequados processos de produção – respeitando as temperaturas e períodos de maturação, até sua embalagem e transporte, garantindo assim a segurança e a qualidade daquele produto.

Pode-se produzir queijo de leite cru em estabelecimentos devidamente registrados no Serviço de Inspeção Oficial, utilizando a matéria-prima de propriedades certificadas pela Cidasc como livres de brucelose e tuberculose.

Seguindo as orientações previstas, será ofertado um produto inspecionado, saboroso e de qualidade, cujos níveis de contaminação microbiana foram efetivamente monitorados e não causarão danos à saúde dos consumidores.

Sobre a pasteurização

O leite pasteurizado fornece segurança sanitária ao produto e seus derivados. Há diferentes formas de pasteuriza-lo na indústria.

A pasteurização lenta consiste no aquecimento indireto do leite entre 63ºC e 65ºC pelo período de trinta minutos e a pasteurização rápida consiste no aquecimento do leite em camada laminar entre 72ºC e 75ºC pelo período de quinze a vinte segundos.

Este procedimento inativa eventuais agentes patogênicos sem esterilizar o leite, mantendo parte da população bacteriana benéfica e preservando a sua qualidade nutricional.

Fonte: Clicsc

Geral

Prefeitura de São José promove o incentivo à alimentação e à agricultura familiar

Atualmente o Município conta com 19 agricultores familiares vinculados, sendo ofertados mais de 30 produtos orgânicos,

Geral

Justiça volta a negar revogação de prisão preventiva de caminhoneiro que arrastou moto na BR-101

O caso ficou conhecido nacionalmente depois que as cenas do caminhão arrastando a moto com o piloto pendurado na porta do motorista, por mais de 20 quilômetros

Geral

Carro de deputado catarinense tem dois pneus estourados na BR-470

O deputado estadual de Santa Catarina, Ismael dos Santos (PSD), teve dois pneus de seu carro estourados após passar em um buraco na BR-470, na descida da Serra de São Miguel, próximo a cidade de […]

Geral

Estranho comportamento do núcleo da Terra tem deixado cientistas intrigados

O estudo foi realizado por sismólogos da Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, e publicado na revista científica Nature Geoscience

Geral

Vídeos impressionantes mostram navio desgovernado atingindo balsas no Porto de SP

Navio dinamarquês estava carregado com contêineres cheios no momento do acidente

Mais notícias

Geral

Prefeitura de São José promove o incentivo à alimentação e à agricultura familiar

Atualmente o Município conta com 19 agricultores familiares vinculados, sendo ofertados mais de 30 produtos orgânicos,