keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Com falta de chuvas, Cataratas do Iguaçu ficam irreconhecíveis e surpreendem turistas

Famoso pelas quedas d’água, falta de chuvas provocou a menor vazão do ano

X

A falta de chuvas tem feito o Iguaçu (rio grande, na língua tupi) parecer um “imirim” (rio pequeno, no mesmo idioma). As cataratas, famosas por suas quedas de águas volumosas e impressionantes, surpreendeu moradores nos últimos dias.Segundo a Companhia Paranaense de Energia (Copel), a vazão da água perto das quedas foi de 308 mil litros por segundo, ou um quinto do fluxo normal, nos dias 9 e 10 de junho. Foi o menor índice de 2021.

É o segundo ano seguido em que a atração, reconhecida como patrimônio natural da humanidade pela Unesco, fica irreconhecível. Em abril de 2020, a vazão nas quedas foi ainda menor que a atual, chegando a 259 mil litros por segundo.

Meteorologistas atribuem o baixo fluxo principalmente à falta de chuvas no Paraná, Estado onde ficam as nascentes do Iguaçu e que é atravessado por ele até sua foz, em Foz do Iguaçu, onde ele deságua no rio Paraná.

Segundo o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), desde fevereiro, quase todo o Estado tem tido chuvas abaixo da média histórica. Como as precipitações só tendem a voltar em outubro, reservatórios de hidrelétricas na bacia têm retido água para garantir alguma reserva para os próximos meses, o que também vem reduzindo a vazão do rio a jusante. Há seis hidrelétricas de grande porte no Iguaçu. Segundo o MapBiomas, plataforma que monitora o uso do solo no Brasil, entre 1985 e 2019, a região da bacia do Iguaçu perdeu 21,3% de sua vegetação nativa, formada principalmente pela Mata Atlântica.

E na sub-bacia que abarca as cabeceiras do rio, nos arredores de Curitiba, resta hoje apenas 7,2% da vegetação original, segundo Malu Ribeiro, diretora de Políticas Públicas da ONG SOS Mata Atlântica. Ribeiro explica que a Mata Atlântica, quando preservada, atenua o impacto de secas e temporais sobre os rios. A floresta retém no solo a umidade acumulada no período chuvoso, garantindo que as nascentes continuem a jorrar mesmo na estiagem.

Porém, quando as árvores são removidas e substituídas por lavouras ou pastagens, o solo deixa de segurar a umidade. Isso faz com que, na estiagem, as nascentes próximas gerem menos água ou até sequem.

Já na época úmida, as chuvas não conseguem infiltrar no solo desmatado e tendem a escorrer direto para os rios, causando erosão e enchentes. Em 2018, Ribeiro participou de uma expedição que percorreu todo o curso do Iguaçu para analisar a qualidade da água e o impacto do desmatamento e da construção de hidrelétricas na bacia. Ela diz que o rio está poluído em praticamente toda sua extensão, principalmente por causa de agrotóxicos, e que a qualidade da água é ruim até mesmo no Parque Nacional do Iguaçu, a maior área protegida da bacia.

Geral

Frio intenso poderá congelar água das torneiras em Santa Catarina

Autoridades estão em estado de alerta por conta da massa de ar polar que chegará a Santa Catarina

Geral

Frio extremo: SC deve registrar -7ºC em 80% do Estado e Defesa Civil debate ações

“Situação muito mais grave do que as previsões estão confirmando”, chefe da Defesa Civil

Geral

Banco é condenado a indenizar empresa vítima de fraude ao pagar dívida por boleto em SC

A decisão foi da 6ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em matéria sob relatoria do desembargador Stanley da Silva Braga, que condenou o banco ao pagamento de R$ 10.579,80 por danos materiais

Geral

Trânsito na Marginal Oeste é alterado no primeiro túnel de acesso a Meia Praia, em Itapema

A via passará a ter apenas uma pista liberada até a entrada do túnel. A Rua 414 será sentido Marginal - Bairro e a Rua 416 sentido Bairro - Marginal.

Mais notícias

Esportes

Grupo de capoeira realiza evento para a família em Itapema

O evento contou com apresentações de capoeira, um momento de contação de história da manifestação cultural e um piquenique entre os presentes

Política

Presidente da Câmara de Itapema sugere força-tarefa para atender moradores de rua durante onda de frio histórica

A forte queda de temperatura prevista a partir desta terça, dia 28/07, motivou a iniciativa do parlamentar, que pede à Prefeitura urgência na divulgação de orientações sobre como ajudar e também alertas à população