keyboard_backspace

Página Inicial

economia

Consumidores planejam desembolsar mais de R$ 200 em presentes de Páscoa, diz pesquisa

Mesmo com o cenário de crise e de desemprego, boa parte dos consumidores pretende realizar compras na Páscoa ainda que com o orçamento comprometido.

X
Foto: Divulgação

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes para os brasileiros. Mesmo em um cenário de insegurança diante da pandemia, este ano, a maior parte dos brasileiros pretende manter a tradição de presentear familiares e amigos, com ovos e chocolates. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas, mostra que cerca de 102,7 milhões de brasileiros devem realizar compras para a Páscoa 2021 – o que representa uma redução de 10,5 milhões de consumidores frente à estimativa de 2019.

De acordo com a sondagem, 64% dos consumidores pretendem comprar presentes e chocolates para a data, enquanto, 19% não pretendem ir às compras este ano, e 16% ainda não se decidiram.

Entre os consumidores que vão realizar compras na Páscoa, a maior parte (40%) relata a intenção de gastar a mesma quantia do ano passado, enquanto 31% vão gastar mais e 26% garantem que gastarão menos. Entre os que têm intenção de gastar mais, 38% dizem que os preços estão mais caros, 34% que comprarão mais produtos, e 30% que querem compensar a situação de isolamento social vivida pela pandemia.

Já aqueles que pretendem gastar menos citam a intenção de economizar (32%), o fato de terem outros compromissos financeiros para pagar (30%) e orçamento apertado (23%). O levantamento da CNDL aponta ainda que, entre os que pretendem fazer compras, os principais motivos são: gostar de chocolate ou presentear alguém que gosta (35%), ser uma tradição da qual gostam de participar (28%) e ter o costume de presentear as pessoas que gostam (24%).

Entre os que não pretendem comprar presentes e chocolates, os principais motivos são: priorizar o pagamento de dívidas (38%), estar desempregado (36%) e o fato de não gostar ou não ter o costume de comprar presentes e chocolates para esta ocasião (19%).

A crise econômica gerada pela pandemia também está impactando as compras deste ano, de acordo com a pesquisa. Entre os que não devem comprar ovos ou chocolates porque estão endividados, desempregados, tiveram redução salarial ou estão distantes das pessoas que poderiam presentear, 78% afirmam haver influência do cenário da pandemia.

“Mesmo diante dos desafios sociais e econômicos que o país enfrenta, as vendas nesta Páscoa podem aquecer o varejo. Esse é o momento de o setor investir em promoções para atrair os consumidores, de olho naqueles que pretendem comprar mais e, sobretudo, nos que ainda não se decidiram”, avalia o presidente da CNDL, José César da Costa.

Filhos serão os mais presenteados. Média de gastos será de R$ 209

A pesquisa revela que as principais pessoas a serem presenteadas na Páscoa serão filho/a (55%), marido/esposa (42%), mãe (38%) e os sobrinhos/as (33%). Além disso, 27% pretendem presentear a si próprios. A maioria dos entrevistados (57%) pretendem comprar ovos de chocolate industrializados, enquanto 43% bombons/caixas de chocolate industrializados, 40% ovos caseiros artesanais, e 30% barras de chocolate industrializadas.

Entre os que devem comprar ovos industrializados, 70% pretendem comprar produtos direcionados tanto a crianças quanto a adultos; 28% pretendem comprar apenas produtos voltados para adultos; e 16%, somente para crianças. Já os que pretendem comprar produtos caseiros, os motivos mais frequentes são: gostar de algo mais personalizado (30%), a vontade de ajudar as pessoas que vendem (28%), e por considerar que a qualidade do chocolate é melhor (13%).

“Vimos um crescimento no último ano de pessoas que preferem comprar de pequenos lojistas ou vendedores autônomos, o que mostra, ao menos em parte, a preocupação do brasileiro com os comerciantes locais, tão impactados pela crise causada pela pandemia. Mesmo quem não tem um e-commerce ou uma loja online pode fazer suas divulgações e vendas por meio de redes sociais ou WhatsApp”, destaca Costa.

Os consumidores entrevistados pretendem gastar, em média, R$209,49 com as compras da Páscoa e comprar cerca de 5 produtos. A forma de pagamento mais utilizada será à vista (76%), especialmente no dinheiro (52%). Já 52% pretendem pagar à prazo, com destaque para o cartão de crédito parcelado (31%).

Supermercados serão os principais locais de compra. 84% pretendem fazer pesquisa de preço

O brasileiro está atento à diferença de preços entre os estabelecimentos, e por isso, 84% dos entrevistados pretendem fazer pesquisa antes de fazer suas compras, sendo que 50% pretendem pesquisar sobre todos os tipos de chocolate e 25% somente sobre os ovos de Páscoa.

O principal local de pesquisa serão os supermercados (62%), enquanto 52% pretendem pesquisar em sites na internet e 34% nas lojas de shopping. Entre os que pesquisam preços na internet, 77% citam os sites e aplicativos de varejistas, 60% os sites de busca, e 41% os sites de comparação de preços.

“O consumidor brasileiro já aprendeu que a variação de preços dos ovos de Páscoa é enorme e pode ficar próxima a 100% em algumas cidades, de acordo com o Procon. Então, ir às compras na primeira loja que aparece pode ser um erro grave. O ideal é se planejar com antecedência, usar a internet para pesquisar e só tomar decisões depois de ter visto os preços praticados em vários estabelecimentos”, lembra Costa.

Os principais locais de compra dos produtos para a Páscoa serão: supermercados (58%), lojas especializadas em chocolate (45%), e lojas de grandes varejistas (42%). 70% têm intenção de comprar em lojas físicas, seja de rua (44%) ou de shopping (40%), enquanto 65% também disseram que pretendem comprar pela internet, principalmente nos sites (22%) e no WhatsApp (20%).

Os fatores que mais influenciam a escolha do local de compra são: o preço dos produtos (42%), a qualidade (37%) e as promoções e os descontos (31%). 69% pretendem comemorar em casa, com aumento de 18 p.p. na comparação a 2019.

“Muitas capitais do país cumprem nesse momento medidas de fechamento de parte do comércio, o que deverá impactar diretamente na forma como os consumidores farão suas compras para a Páscoa, e também como costumam comemorar a data. Em muitas cidades, por exemplo, as lojas especializadas em chocolates estão fechadas, enquanto os supermercados, por serem atividades essenciais, continuam abertos. Por isso, o varejista deve estar preparado para atender por delivery, oferecer serviços de entrega e vendas pela internet”, acrescenta o presidente da CNDL.

24% dos que pretendem comprar chocolates e presentes possuem contas em atraso

Mesmo com o cenário de crise e de desemprego, boa parte dos consumidores pretende realizar compras na Páscoa ainda que com o orçamento comprometido. 24% dos entrevistados que pretendem comprar chocolates e presentes possuem contas em atraso, sendo que 66% estão com o nome sujo. Além disso, 5% acreditam que vão deixar de pagar alguma conta para comprar produtos para a Páscoa.

Outro dado que inspira preocupação e denuncia o comportamento imprudente de alguns consumidores é que 26% admitem gastar mais do que podem com as compras na data e 23% dos que realizaram compras na Páscoa do ano passado afirmam que ficaram com o nome sujo pelos gastos realizados na data, sendo que 13% ainda estão negativados e 10% já limparam o nome.

“Como qualquer outra data comemorativa, a Páscoa está sujeita a diversos mecanismos do marketing e da propaganda para estimular o consumo, já que se trata de uma data importante para o comércio. Então as pessoas acabam, muitas vezes, cedendo ao consumismo e exagerando nos gastos”, afirma Costa. “Se o consumidor está preparado, se ele reservou uma quantia para gastar na Páscoa, tudo bem. Mas as compras devem ser feitas sem que o impeça de cumprir compromissos financeiros mais importantes, assim como guardar dinheiro para imprevistos. O que não é recomendável é fazer dívidas ou deixar de pagar contas, com o intuito de comprar ovos, bombons etc.”, alerta o presidente da CNDL.

Fonte: Clicsc

economia

Indústria catarinense registra maior alta do país em fevereiro, aponta IBGE

No acumulado de janeiro e fevereiro de 2021, o Estado catarinense liderou o ranking das Unidades da Federação, com uma alta de 9,5%. A variação nacional foi de 1,9%, abaixo da verificada no primeiro mês deste ano de 2,6%.

economia

Novo ranking da Forbes aponta Luciano Hang como mais rico de SC

De acordo com a cotação do dólar nesta quinta-feira (8), o valor da fortuna atual convertido para o real seria de R$ 15,12 bilhões.

economia

Mercado brasileiro de peças de barco registra alta na pandemia

Varejo de peças náuticas no Brasil tem alta na pandemia, tanto por meio de vendas on-line quanto nas lojas físicas. Distribuidora de insumos nacional, Catarina Náutica, registrou aumento de quase 20% em vendas.

economia

Dólar fecha em R$ 5,60 e atinge menor valor em duas semanas

Diversos fatores contribuíram para a queda da moeda norte-americana. O início da safra de grãos, que impulsiona as exportações.

economia

Alta no gás natural anunciada pela Petrobras põe indústria de SC em alerta

Em Santa Catarina, estima-se que o reajuste para a indústria seja da ordem de 30% porque o preço final do gás ao consumidor não é determinado apenas pelo preço de venda da petroleira

Mais notícias

Utilidade Pública

Procon de São José atende com agendamento prévio

A medida é necessária para evitar aglomeração de pessoas, sendo que o atendimento deve ser marcado pelo Whatsapp (48) 98477-7790

Segurança

Homem que tinha obsessão por mulher sem manter nenhuma relação com ela é preso em Brusque

Ele dizia que ela não poderia se relacionar com outro, atormentando a vida e a saúde mental da vítima

Segurança

Polícia Civil apreende durante operação drogas e armas em Florianópolis

Área de matagal estaria sendo utilizada como rota de fuga dos traficantes