keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Dono de choperia é indiciado por homicídio culposo de empresário após explosão de barril de chope

Vítima comemorava o aniversário de 43 anos ao lado da família e amigos

X

O proprietário da empresa que comercializou o barril de chope que explodiu e matou o empresário Gilson do Nascimento, no dia 17 de setembro do ano passado, em Campo Bom, foi indiciado por homicídio culposo em inquérito remetido à Justiça no dia 25 desse mês.

A conclusão do inquérito policial foi divulgada na tarde desta segunda-feira (30), durante coletiva de imprensa que ocorreu em Porto Alegre, na sede do Instituto Geral de Perícias (IGP), ocasião em que também foram divulgados os resultados do laudo pericial sobre a morte de Gilson. Participaram da coletiva o titular da 3ª Delegacia de Polícia Regional de São Leopoldo (3ª DPRM), Delegado Eduardo Augusto de Moraes Hartz, o titular da Delegacia de Polícia de Campo Bom, Delegado Clovis Nei da Silva, e os Peritos Criminais Carlos de Santis e Jair de Almeida.

Na data do fato, a vítima comemorava o aniversário de 43 anos ao lado da família e amigos. Ao tentar acionar a válvula do barril de inox ele foi atingido por uma explosão quando o recipiente não resistiu à pressão, injetada pelo cilindro de CO 2, rompendo-se ao fundo e sendo projetado para cima, aferiu o laudo pericial. Com múltiplos traumatismos causados pela explosão, Gilson veio a falecer de hemorragia interna causada pelo impacto nos órgãos do tronco e da caixa craniana.

Diante desse contexto e com base nos laudos apresentados pelo IGP, o Delegado Clóvis Nei da Silva, titular da Delegacia de Polícia de Campo Bom e responsável pela investigação do caso, entendeu haver negligência na manutenção da válvula reguladora de pressão: “Assim, entendeu-se que a negligência de manutenção especializada na válvula reguladora de pressão constitua na principal causa para o evento que resultou na morte de Gilson do Nascimento, sendo obrigação do proprietário da empresa prestadora de serviço”, pontuou o Delegado.

Falta de manutenção

Conforme laudo do IGP, a válvula reguladora de pressão existente no sistema tem a função de reduzir a pressão que sai do cilindro para 2kgf/cm2 (quilograma-força por centímetro quadrado) antes de entrar no barril, sendo essa a pressão necessária para que o recipiente cumprisse sua função. Contudo, a válvula não estava funcionando de forma adequada, o que permitiu a passagem da totalidade da pressão emitida pelo cilindro ao barril, nesse caso, 48kgf/cm2, o que resultou no rompimento da parte inferior.

Já as mangueiras utilizadas resistiram à pressão mais que o barril de inox, sendo que o correto seria que fossem menos resistentes, pois dessa forma serviriam de elemento de segurança, evitando a explosão do mesmo – nesse contexto, a capacidade de resistência da mangueira seria de 52kgf/cm2. Por fim, ficou concluído que a falta de manutenção no sistema foi a responsável pelo incidente.

Fonte: Clicsc

Segurança

Homem descumpre medida protetiva contra ex-mulher e acaba preso em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado

Segurança

Polícia apreende 400 mil maços de cigarros contrabandeados em Chapecó

O veículo, a mercadoria e o condutor foram entregues na Polícia Federal

Segurança

Menino de 13 anos morre após ser brutalmente espancado na saída de escola

Garoto tinha problemas de saúde, sofria convulsões e teria passado mal após a briga

Segurança

Começa nova etapa da remoção de veículos apreendidos em São José

Os trabalhos são realizados na Central de Plantão Policial (CPP/PCSC) de São José

Segurança

Justiça condena motorista de aplicativo que violentou estudante em Florianópolis

No trajeto motorista se aproveitou do da vítima que estava embriagada para tocar suas partes íntimas

Mais notícias

Geral

Âncora da CNN comete gafe e fala palavrão ao vivo; Veja o vídeo

Internautas não perdoaram e vídeo viralizou na web

Segurança

Homem descumpre medida protetiva contra ex-mulher e acaba preso em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado