keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Livro sobre uso de canabinóides na veterinária editado por grupo Nature tem participação de professor da UFSC

O estudo dos canabinoides e sua utilização para fins terapêuticos faz parte dos interesses do professor desde 2017

X
Imagem de Erin Stone por Pixabay

O professor Erik Amazonas, da Coordenadoria Especial de Biociências e Saúde Única, na UFSC Curitibanos, é um dos autores de um livro que deve ser aliado da ciência veterinária na busca por respostas sobre o uso da terapia dos canabinoides em animais. Cannabis Therapy in Veterinary Medicine: a complete guide é um guia completo sobre o assunto, editado pela Springer, mesma editora da revista Nature, e reúne pesquisadores do mundo todo que se destacam nessa linha de pesquisa – incluindo o professor da UFSC, responsável por dois capítulos.

O estudo dos canabinoides e sua utilização para fins terapêuticos faz parte dos interesses do professor desde 2017. Ele relata que, ao descobrir a existência do sistema endocanabinoide nos vertebrados, sentiu necessidade de se aprofundar para oferecer esse conteúdo aos alunos. Este sistema é descrito no próprio livro como um “regulador homeostático básico e fundamental de fisiologia”.

O conhecimento acumulado fez com que Amazonas incluísse a disciplina Endocanabinologia no curso de Medicina Veterinária e iniciasse uma linha de pesquisa e de extensão, o que naturalmente lhe aproximou também da comunidade científica internacional. Em 2018, conheceu e fez contato com Casara Andre, médica veterinária que atua em Denver, Colorado (EUA) e fundadora da Veterinary Cannabis Education and Consulting. “Começamos uma colaboração nos cursos de formação de médicos veterinários para medicina veterinária canabinoide, promovido por aquela instituição. Assim, a rede foi se formando e o convite para a colaboração no livro veio ao final do mesmo ano”, lembra o professor. Os editores da obra destacam que os capítulos oferecem evidências para auxiliar uma decisão clínica mais informada.

Os capítulos The Pharmacology of Cannabinoids e Cannabinoids in Oncology and Immune Response têm a co-autoria do pesquisador brasileiro e professor da UFSC. “Fico muito honrado de fazer parte da construção dessa primeira obra dedicada à área ao lado de colegas tão proeminentes”, comenta, destacando que a ideia é oferecer um recurso à comunidade científica e médicos veterinários do mundo todo. Como se trata de um conhecimento difícil de produzir, o livro foi uma forma de sistematizá-lo, oferecendo um olhar mais concreto sobre a temática. “Muitas vezes são os próprios tutores que levam essas questões para os veterinários e é importante que tenham esse conhecimento e informação”, afirma.

No caso do tratamento do câncer, por exemplo, observam-se resultados satisfatórios a partir da terapia dos canabinoides em animais. De acordo com o professor, há duas fontes que cooperam no tratamento: o alto poder modulatório dos canabinoides sobre o sistema imune, o que permite a identificação e erradicação das células tumorais, e o controle do ciclo celular desempenhado pelo sistema. “A soma desses mecanismos resulta em ótimos prognósticos para o tratamento e remissão de tumores. É muito comum observarmos a interrupção do crescimento do tumor e também a remissão completa do mesmo”.

O professor destaca que há diversas universidades trabalhando com essa linha no Brasil, mas que a pesquisa do tema ainda é complexa, por conta da dificuldade de se regulamentar a utilização da matéria prima. Os canabinoides são compostos químicos presentes na cannabis sativa e, no Brasil, somente entidades com recursos judiciais conseguem autorização para utilizar este recurso no tratamento de diferentes doenças.

Amazonas contextualiza a questão para explicar o porquê, por exemplo, de ser tão complexo desenvolver estudos clínicos com este enfoque na medicina veterinária. As dificuldades de regulamentação fazem com que o insumo seja raro e de difícil acesso inclusive para tratamento em humanos. Recentemente, uma pesquisa para avaliar o impacto do óleo de canabidiol na saúde mental de profissionais da linha de frente do combate à Covid-19 foi interrompida devido à paralisação na produção de remédios pela Abrace, a única associação autorizada a produzir nacionalmente o composto.

O óleo da cannabis tem fins terapêuticos comprovados, tendo uso, por exemplo, no tratamento de epilepsia. Sua composição tem mais de 150 tipos de canabinóides, o que pode fazer com que os benefícios sejam ainda maiores do que em outros compostos. “O acesso à medicação dificulta o trabalho, mas é importante que os veterinários tenham essa fonte de estudo para elevar o debate”, explica o professor, retomando a importância do livro. “Quando se vê que o tratamento é efetivo em humanos é natural buscá-lo também para os animais, por isso a informação sobre o assunto é tão importante”.

Fonte: UFSC

Geral

Recepcionista da Prefeitura de Tijucas é pedida em namoro com faixa e buquê de flores no trabalho

O clima foi de romance no amanhecer de terça-feira (22) no paço municipal da Prefeitura de Tijucas. Enquanto trabalhava, a recepcionista Thayrinne Passos foi surpreendida no trabalho por um pedido de namoro inusitado! O pretendente […]

Geral

UniAvan participa da próxima edição da ExpoeduVirtual Internacional Brasil 2021

Todos os alunos podem participar gratuitamente do evento que será 100% on-line

Geral

Raro gamba albino é resgatado em Porto Belo

O Gambá albino está sendo acompanhado pelo biólogo e pela Veterinária do GOR

Geral

Após um ano do julgamento dos royalties no STF, SC ainda trava luta judicial por recursos

O indicativo de receber R$ 300 milhões correspondia apenas aos valores depositados ao Paraná, com correção monetária, mas sem juros.

Geral

Tribunal do Júri condena três integrantes de facção criminosa que decapitaram rival e filmaram o crime em SC

Após matar a vítima, o grupo decapitou e enterrou o corpo na tentativa de ocultar o crime. O cadáver só foi encontrado no dia 30 de janeiro de 2019.

Mais notícias

Segurança

Homem morre eletrocutado tentando furtar fio elétrico em Itajaí

Para derrubar a fiação, que fica a uma altura de aproximadamente quatro metros, ele usou um pedaço de madeira com um cano com uma serra na ponta