keyboard_backspace

Página Inicial

animal

Mais de mil pinguins já foram resgatados em praias de Florianópolis

Aves resgatadas vivas chegam tão debilitadas que muitas vezes morrem no caminho para o Centro de Pesquisa

X

Sabemos que é impactante encontrar um, dois, três pinguins-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) mortos nas praias. Para algumas pessoas pode parecer muito essa quantidade. Mas, infelizmente, a realidade é muito maior. Nesta temporada anual de migração destas aves, a R3 Animal já registrou até agora 1.118 pinguins nas praias da Ilha de Santa Catarina, e apenas 129 estavam vivos no momento do resgate.

As aves resgatadas vivas chegam tão debilitadas que muitas vezes morrem no caminho para o Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM/Animal).

A presidente da R3 Animal e Coordenadora do PMP-BS/Florianópolis, Cristiane Kolesnikovas, explica que os pinguins que chegam às nossas praias em sua maioria estão muito magros, desidratados, hiportérmicos (temperatura corporal baixa), parasitados e, infelizmente, com sinais de interação incidental com redes de pesca. “Nossa equipe faz tudo que está ao alcance para salvá-los, mas nem sempre é possível”, esclarece.

Os pinguins encontrados mortos que não estão em avançado estágio de decomposição são trazidos para o CePRAM e passam pelo exame necroscópico para tentar identificar a possível causa da morte.

De acordo com o veterinário Sandro Sandri, a maioria dos animais que chegam do campo mortos ou que vêm a óbito no CePRAM têm sinais claros de asfixia/afogamento.

“Alguns deles com indícios de interação antrópica, tais como desgaste de penas e hematomas em aleta (asas). Mas, invariavelmente, todos com o pulmão comprometido, com acúmulo de secreção serosanguenolenta espumosa, que são indicativos fortes de asfixia/afogamento, possivelmente provocados por interação com redes de pesca”, explica Sandro.

Em meados do outono, estes animais que começam a chegar à nossa costa saem principalmente das colônias na Patagônia/Agentina, na Península de Valdez.

Temos recebido vários acionamentos diários sobre a presença de pinguins nas praias da Ilha. Em agosto, até o hoje, dia 30, nossa equipe já resgatou 932 pinguins, e apenas 91 pinguins estavam vivos no momento do resgate. Em julho, foram resgatados 182 pinguins, e apenas 36 estavam vivos. Em junho, foram apenas dois registros e as aves estavam mortas. Os primeiros registros dessas aves este ano ocorreram em maio, foram dois animais vivos.

Em 2020, registramos 800 pinguins nas praias da Ilha, 116 vivos no momento do resgate. Em 2019, foram 747 registros e apenas 53 estavam vivos. Já em 2018, foram resgatados 1.814 pinguins, sendo 113 vivos.

Vinte e um em reabilitação

Atualmente, estamos com 21 pinguins em reabilitação aqui no CePRAM, 14 são sobreviventes dos animais resgatados pela nossa equipe. O restante veio de outras instituições executoras no Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS): 2 da Univali/Penha, 2 do LEC/UFPR, 1 da Udesc/Laguna, 1 da Univille/São Francisco do Sul e 1 do IPeC/São Paulo.

A temporada dos pinguins vai até setembro, quando os animais começam a voltar para suas colônias. A maioria dos pinguins que estão na nossa região nadam em grupos mar adentro. Já os pinguins que encalham nas praias, em sua grande maioria, são animais juvenis, estão em seu primeiro ano de vida e encaram pela primeira vez a longa jornada de migração.

Como são inexperientes, é comum que alguns animais tenham dificuldade em se alimentar, se percam dos bandos e fiquem debilitados, encalhando nas praias. Também existem aqueles que interagem com petrechos de pesca. Mesmo não sendo fauna alvo são capturados incidentalmente. É a chamada captura bycatch, ou seja, não intencional.

animal

Vídeo: Homem é atacado por capivara enquanto nadava em rio

A vítima é um marinheiro do Clube da Aeronáutica e nadava por uma área conhecida como "piscina dos barcos"

animal

Viralizou: Tubarão raro com “cara de porco” é encontrado por pescadores

O peixe, apesar de estranho, é uma espécie conhecida

animal

Família leva cobra que picou bebê para hospital e equipe médica descobre antídoto contra veneno

O caso reforça que saber qual animal provocou a picada e buscar atendimento rápido pode ser a diferença entre a vida e a morte

animal

Tragédia: Menino de 2 anos morre após picada de animal venenoso no pescoço

Marisete dos Santos, mãe de Brayan, se manifestou sobre a morte do filho em seu perfil na internet

animal

Pitbull cai dentro de poço e mobiliza bombeiros em Santa Catarina

Uma cachorrinha da raça pitbull foi resgatada depois de cair dentro de um poço na cidade de Mafra, no Planato Norte de Santa Catarina. A cachorra caiu em um poço de três metros e precisou […]

Mais notícias

Geral

Sucuri gigante digerindo capivara é flagrada por empresário em rio

Empresário explicou que a hipótese da sucuri estar digerindo uma capivara foi levantada por causa do tamanho da presa

Segurança

Família de Camboriú morre em acidente no Oeste de Santa Catarina

Colisão frontal entre dois carros foi registrada em Ponte Serrada na BR-282