keyboard_backspace

Página Inicial

coronavirus

MPSC monitora a execução da campanha de vacinação contra covid-19 segundo os planos estadual e municipais de imunização

A vacinação deve ocorrer de acordo com os planos para o atendimento aos públicos prioritários conforme o que foi estabelecido pelo Ministério da Saúde e adotado pelo Estado. Promotorias de Justiça receberam material técnico para a instauração de procedimentos de acompanhamento das ações de vacinação e as redes sociais do MPSC orientam a população sobre como as suspeitas de “fura-fila” ou outras possíveis irregularidades podem ser comunicadas ao Ministério Público

X

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) está monitorando as ações de execução da campanha de vacinação contra a covid-19 para que os planos estadual e municipais de imunização sejam cumpridos de acordo com o que foi estabelecido pelo Ministério da Saúde e adotado pelo Estado. A maior preocupação do Ministério Público é garantir que as vacinas sejam aplicadas apenas nos públicos prioritários já definidos e que sejam evitados os casos de “fura-fila” ou outros desvios, conforme vêm sendo noticiados em vários estados desde que a vacinação teve início no Brasil.

O MPSC está atuando para prevenir as ocorrências de desrespeito à fila de vacinação e para buscar a responsabilização civil e criminal dos envolvidos nos eventuais casos de desvios de conduta dos agentes públicos e privados nas situações em que houver indícios de que os imunizantes foram distribuídos ou aplicados em desacordo com o que foi estipulado pelo Ministério da Saúde e pela Comissão Intergestores Bipartite – CIB de Santa Catarina.

Na quarta-feira (20/1) o Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor (CDH) enviou a todas as Promotorias de Justiça com atribuições na área da Cidadania e Direitos Humanos, que atuam nas questões relacionadas à saúde pública e já acompanham as medidas de enfrentamento à pandemia nas Comarcas, um material de apoio técnico sobre a vacinação no estado e municípios. 

O material disponibiliza o “Plano Para Campanha de Vacinação Covid-19 em Santa Catarina”, um documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) e enviado ao MPSC como resposta ao pedido de informações feito pelo CDH e pela 33ª Promotoria de Justiça da Capital sobre as medidas que o Estado está adotando para imunizar a população. Além desse documento, as Promotorias de Justiça também receberam minuta de procedimento para o acompanhamento da vacinação nos municípios.

Segundo o CDH, a escassez de vacinas em doses suficientes para uma ampla campanha de imunização contra a covid-19 aumentou os riscos de descumprimento dos planos de vacinação, o que torna ainda mais necessário o acompanhamento da imunização: “diante do reduzido quantitativo de doses disponíveis, a fiel observância ao escalonamento estabelecido pelo Ministério da Saúde e adotado pelo Estado de Santa Catarina se mostra ainda mais relevante, evitando burlas com efeitos negativos tanto do ponto de vista sanitário quanto da probidade administrativa”.

O CDH também informou aos Promotores e Promotoras de Justiça que “com o objetivo de facilitar esse acompanhamento e apuração de eventual notícia de burla, estamos em diálogo com a Secretaria de Estado da Saúde para que seja dado acesso aos Membros do Ministério Público às informações dos vacinados inseridas no sistema do Ministério da Saúde”.

O CDH e os Centros de Apoio Operacional da Moralidade Administrativa (CMA) e o Criminal e de Segurança Pública (CCR) também estão elaborando uma Nota Técnica  sobre as consequências jurídicas da burla aos planos de vacinação, apontando as responsabilidades civil, criminal e por improbidade administrativa de servidores públicos, agentes públicos, autoridades e mesmo de pessoas sem algum cargo público.

População deve ajudar na fiscalização

Nas redes sociais do MPSC, o público é orientado sobre as formas de contatar o Ministério Público nas situações em que suspeitar de que a fila da vacinação está sendo furada: “Se você souber que alguém que não faz parte do grupo prioritário recebeu a vacina, denuncie!”

Os canais adequados para comunicar ao Ministério Público os casos de suspeita de “fura-fila” são: 

a Ouvidoria do MPSC, pelo telefone (48) 3229-9306 ou pelo e-mail ouvidoria@mpsc.mp.br; o site do MPSC, mpsc.mp.br, com o auxílio da Assistente Virtual Catarina; ou pelos telefones celulares diretos das Promotorias de Justiça que podem ser encontrados nesta página. 

A publicação também esclarece que “servidores públicos que `furam´ a fila de vacinação ou favorecem essa prática estão cometendo um ato de improbidade administrativa. Atitudes que violem deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdades às instituições podem sofrer várias penalidades, entre elas perda da função pública”.

coronavirus

Governador responde pedido de lockdown de 14 dias em Santa Catarina

Governador encaminhou resposta neste sábado para órgãos que pedem lockdown de 14 dias em SC

coronavirus

Coronavírus: Todas as regiões de SC estão em estado gravíssimo

Pela nova classificação, todas as regiões do estado se encontram em nível gravíssimo

coronavirus

Brasil tem recordes de mortes por Covid-19 pelo terceiro dia seguido

Foi registrada a média móvel de 1.152 óbitos, maior número desde o início da pandemia

coronavirus

Ocupação de UTIs chega ao pior nível da pandemia, diz Fiocruz

Em 12 estados e no DF, mais de 80% dos leitos covid-19 estão ocupados

coronavirus

Câmara de Itapema suspende atendimento ao público até 12/03

Atendimento presencial ao público fica suspenso pelas próximas duas semanas. Cidadão pode entrar em contato por email ou telefone. Sessões serão transmitidas ao vivo pelas redes sociais da instituição

Mais notícias

Política

“Lockdown não é o que o povo quer”, diz Bolsonaro

A fala se deu nesta sexta-feira (26), enquanto o chefe do executivo cumpria agenda no Ceará