keyboard_backspace

Página Inicial

Sem categoria

Mutirão de cirurgias no Hospital Marieta visa reduzir filas no Sistema Único de Saúde

Mobilização contempla diversas áreas da saúde, entre cirurgia geral, ginecologia e urologia

 

 

Para atender cerca de 250 pessoas que esperam na fila de procedimentos médicos do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Marieta está realizando um mutirão de cirurgias de diferentes especialidades. As operações vão até o dia 15 de dezembro e contemplam pacientes de cirurgia geral, oftalmologia, ginecologia, ortopedia, urologia e cirurgia de cabeça e pescoço. A mobilização é de extrema importância para a comunidade e agilizará processos de pacientes que já aguardam na fila de espera do SUS.

“Esta é uma verba do Governo Federal para desafogar as filas. São geralmente procedimentos de rápida recuperação, que são agendados depois de o paciente passar por avaliações, consultas e exames pré-operatórios e anestesia. Tudo agendado pela Secretaria de Saúde de Itajaí”, explica a diretora geral do Hospital Marieta, Irmã Mercia Lemes. A intenção é desafogar o tempo de espera do paciente pela cirurgia, evitando mais transtornos à população.

Passados todos estes processos, os atendimentos aos pacientes se concentram em um único dia, geralmente finais de semana ou à noite, que é quando as salas de cirurgia têm maior tempo desocupado. “Chegamos a fazer 60 cirurgias por dia de mutirão, nesta logística específica para estes casos de grande escala”, explica o diretor administrativo, Nivaldo Cunha.

Cada especialidade médica tem sua própria particularidade de atendimento e tudo é coordenado pela Secretaria de Saúde, cabendo ao Hospital Marieta apenas o recebimento dos pacientes para as cirurgias. Em sua maioria são procedimentos simples e de rápida recuperação.

Mais notícias

Segurança

Trilheiro morre após cair com moto de ponte de 3 metros

O corpo foi encontrado já sem vida fora da água e sem sinais de hemorragia

coronavirus

SC tem 12 regiões no nível moderado e cinco no alto para Covid-19

A última vez que a Matriz classificou uma região no nível grave foi no dia 1º de outubro, e no nível gravíssimo no dia 11 de setembro