keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

PM vai a júri por morte de jovem que usava arma de brinquedo do tipo airsoft no quintal

Vítima estava no quintal de casa e manuseava uma "arma de brinquedo do tipo airsoft" quando foi surpreendida pela guarnição

X
Siga-nos no google-news

A Justiça da Capital determinou que um dos policiais militares mobilizados na ação de patrulhamento que resultou na morte de um jovem de 19 anos, no norte da Ilha, seja levado a júri popular. O caso aconteceu no dia 19 de abril de 2019, no início da tarde, em uma servidão do bairro Ingleses. A decisão é do juiz Monani Menine Pereira, em sentença de pronúncia prolatada na Vara do Tribunal do Júri da Capital. O julgamento ainda não tem data definida.

Conforme a denúncia do Ministério Público (MP), a vítima estava no quintal de casa e manuseava uma “arma de brinquedo do tipo airsoft” quando foi surpreendida pela guarnição, sendo atingida por quatro dos seis disparos realizados. Em alegações finais, o MPSC pleiteou a pronúncia de somente um dos policiais: argumentou que um único PM teria feito os disparos e retirado a arma que estava próxima do corpo da vítima, enquanto um segundo policial teria apenas participado da abordagem, sem fazer disparos. A assistência da acusação acompanhou o posicionamento do MP.

Ao decidir, o magistrado pontuou versões apresentadas pelos militares e por testemunhas que estavam no local ou próximas a ele. Enquanto os policiais afirmaram que o PM responsável pelos disparos deu um comando de voz para que a vítima largasse o simulacro, as demais testemunhas foram enfáticas em relatar que não ouviram nada nesse sentido. Não é possível afirmar neste momento processual e sem qualquer dúvidas, apontou o juiz, que o acusado agiu em legítima defesa, devendo a tese defensiva ser levada ao Conselho de Sentença.

A sentença de pronúncia destaca, ainda, que o simulacro exibia a característica ponta laranja que permite diferenciá-lo de uma arma verdadeira, e que não foram relatadas condições climáticas ou de iluminação que poderiam ter inviabilizado por completo a visão do acusado. “Há indicativos nos autos apontando que, supostamente, o acusado surpreendeu a vítima com os disparos, sem que houvesse uma abordagem prévia, isso pela discrepância das versões dos réus e das testemunhas presentes”, anotou o magistrado. Assim, a tese de que o acusado tinha a intenção de tirar a vida da vítima sem que estivesse sob perigo, conforme apontado na denúncia, deverá ser objeto de avaliação pelo Conselho de Sentença.

O réu responderá por homicídio qualificado pelo emprego de recurso que impossibilitou a defesa da vítima e fraude processual (modificação da cena do crime devido à remoção do simulacro antes da chegada da perícia). Ele poderá recorrer em liberdade.

Fonte: Clicsc

Segurança

Furto de fiação elétrica causa desabastecimento de água em cidade catarinense

A SESAN acionou a polícia, que investiga o caso para que sejam aplicadas as medidas legais contra o criminoso

Segurança

Motociclista morre em acidente com carro em rodovia catarinense

Quando os socorristas chegaram, já não havia ninguém no local do acidente

Segurança

Casa noturna de BC terá que indenizar cliente após constrangimento por suposta nota falsa

Justiça determinou que estabelecimento pague R$ 7 mil de danos morais ao consumidor

Segurança

Adolescente é mantida em cativeiro durante sete meses por homem que conheceu na internet

A menina foi dada como desaparecida e passou os sete meses sem contato com os pais

Segurança

Polícia aborda carro e encontra arma de fogo Camboriú

Abordagem ocorreu no bairro Rio Pequeno em Camboriú

Mais notícias

Tempo

SC pode ser atingida por novo ciclone nesta semana

A semana começa quente e abafada, mas logo dá lugar a uma frente fria, que vem acompanhada de temporais e muitas nuvens

Segurança

Furto de fiação elétrica causa desabastecimento de água em cidade catarinense

A SESAN acionou a polícia, que investiga o caso para que sejam aplicadas as medidas legais contra o criminoso