keyboard_backspace

Página Inicial

Sem categoria

Projeto leva música clássica para creches da rede pública de Itajaí

Apresentações são gratuitas e beneficiam crianças do bairro Cidade Nova

A Fundação Cultural de Itajaí promove, a partir desta quarta-feira (07), um projeto que leva música erudita para 80 crianças matriculadas em dois Centros de Educação Infantil (CEIs). Com um repertório selecionado especialmente para elas, a iniciativa tem por objetivo oferecer música clássica nas creches da rede pública do município.

Visando aproximar os espectadores do estilo musical, é trabalhada a sensibilidade, percepção, observação e criatividade das crianças. A ação atende alunos com idade entre três e seis anos, além de professores e funcionários das unidades localizadas no bairro Cidade Nova.

As apresentações duram em torno de 40 minutos e contemplam um bate-papo e interação com as crianças presentes. De forma mais didática, a plateia conhece um pouco mais sobre os instrumentos, seus fatos históricos e algumas curiosidades do equipamento.

Nesta quarta-feira, as escolas beneficiadas foram Omar Luis Macagnan e João Sandri. A plateia infantil demonstrou interesse em conhecer os instrumentos e reconheceu músicas como “Beauty And The Beast” (tema do filme A Bela e a Fera – Disney), “Hallelujah” (Leonard Cohen) e a clássica canção natalina “Noite Feliz”.

O projeto é patrocinado pela Fundação Cultural por meio do Edital de Lei de Incentivo à Cultura. O grupo, formado pelos músicos Saimon Simas (violino), Daniel Odelli (violoncelo) e Rodrigo Pinheiro (piano) ainda espera beneficiar em torno de duas mil crianças durante suas 10 apresentações.

Nesta quinta-feira (08) o projeto atenderá o CEI Dayana Maria de Souza, às 10h, o CEI Professora Mauricélia às 13h30 e o CEI Eduardo Canziani às 15h30. Na próxima semana o projeto também passará pelos CEIs Maria Regina Coppi Vicente, Euclides Ciriaco Meirinho e Dra Zilda Arns Neumann.

Sobre o projeto
O projeto, que já está na sua terceira edição, foi criado pelo violista itajaiense Saimon Simas. Ele explica que a ideia surgiu após uma pesquisa sobre a influência da música erudita em crianças pequenas. Assim, Saimon percebeu a necessidade de aproximação ao estilo musical e criou o projeto para os bairros onde a população, de modo geral, tem mais dificuldade em acessar eventos culturais.

Mais notícias