keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Queda na renda reduz intenção de consumo dos catarinenses

Esta foi a sexta queda consecutiva no indicador

Ricardo Wolffenbuttel/Secom

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) caiu para 69,8 pontos em setembro em Santa Catarina, queda de 11% em relação ao mês anterior. Esta foi a sexta queda consecutiva no indicador, que na comparação com o mês período do ano passado, registra retração de 52,2%.

O dado, calculado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC), varia de 0 a 200, onde valores abaixo de 100 indicam pessimismo. O índice utiliza como parâmetros as perspectivas atuais e as expectativas dos principais fatores relacionados ao consumo – como emprego e renda.

Entre os principais indicadores do ICF, a maior queda foi observada no critério renda, com redução de 5,7%. Em setembro, o índice foi de 94,8 pontos, chegando ao patamar de pessimismo pela primeira vez em 2020. De acordo com a Fecomércio/SC, a queda está relacionada principalmente com expectativas de diminuição na renda nas famílias que recebem menos de 10 salários mínimos.

“As perdas de renda voltaram a se acelerar a partir de julho, principalmente nas faixas abaixo de 10 salários mínimos, o que também pode estar relacionado à redução de 50% do auxílio emergencial”, destacou a entidade em relatório.

Além do emprego e da renda, outro indicador importante para determinar o ICF é facilidade no acesso ao crédito. O índice também se encontra em patamares de pessimismo, chegando a 65 pontos, queda de 6,9% em relação ao mês passado.

Endividamento

Outro dado utilizado pela Fecomércio/SC para medir o momento da economia é o percentual de famílias endividadas. Segundo a entidade, esse índice chegou a 41,3%, uma queda em relação aos 42,4% registrados em agosto. A estimativa é que 54 mil famílias deixaram de estar endividadas no período. 

A maior parte das dívidas contraídas pelos catarinenses são de cartões de crédito (68,1%), seguido por carnês (40,8%) e financiamento de carro (35,6%). Em média, as dívidas correspondem 30,6% da renda das famílias no Estado, número considerado preocupante pela Federação.

Por outro lado, a taxa de inadimplência – que mede a quantidade de famílias com contas em atraso – caiu em setembro. O índice passou de 11% em agosto para 10,5% no último mês. Já o percentual de catarinenses que afirmou que não vai conseguir honrar seus compromissos se manteve estável (5,2%). 

Segundo a Federação, o governo precisa continuar agindo para que estes indicadores não registrem resultados piores nos próximos meses. “Neste momento, as medidas mais importantes para conter a queda no consumo continuam a sendo as políticas de manutenção do emprego e da renda, assim como medidas de ampliação do crédito que possibilitem reduzir taxas de juros e risco de inadimplência”, ressaltou.

Fonte: Clicsc

Mais notícias