keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Restos mortais de adolescente foram escondidos em tocas de tatu de chácara de SC

Para esconder os vestígios do crime, os suspeitos desmembraram o corpo de Kauã

X

Após serem presos, os suspeitos de assassinar brutalmente Kauã João de Freitas, de 17 anos, em Xavantina, no Oeste do Estado, confessaram detalhes do crime para a Polícia Civil. O primeiro a ser detido, foi um jovem de 18 anos, que participou do assassinato junto com um homem de 37 anos.

A operação na quarta-feira começou em Xaxim. Os policiais foram até a casa do suspeito de 18 anos. Segundo o delegado Vagner Papini, foi ele que confessou o crime. Depois de prendê-lo, a equipe seguiu até um sítio em Xavantina, cujo dono é o suspeito de 37 anos.

O inquérito apontou que os dois teriam convencido o adolescente a ir com eles para o mato, e lá, o amarrado pelas mãos em uma árvore próxima a um riacho. Eles teriam falado para Kauã que o matariam. A vítima teve dois cortes feitos em formato de cruz no abdômen — os suspeitos confessaram que foi esse o ferimento que levou a morte do adolescente.

Para esconder os vestígios do crime, os suspeitos desmembraram o corpo de Kauã. Em depoimento, um dos suspeitos teria afirmado que, primeiro, cortaram a cabeça, depois, os membros superiores e inferiores. Os restos mortais, como os braços, foram escondidos em tocas de tatu espalhadas pela chácara. Já o tronco teria sido levado para outro lado do riacho. 

Conforme as investigações, o que teria motivado o crime é ciúmes. O suspeito do assassinato, de 37 anos, acreditava que Kauã fazia insinuações para sua esposa. A vítima morava em Chapecó, quando, em 14 de abril, foi para o município vizinho Xaxim, para trabalhar. Lá, ele foi surpreendido pelos dois homens, que o levaram para uma chácara em Xavantina, cidade ao lado.

 Na operação de quarta, policiais civis e militares e cães farejadores encontraram também pedaço da corda utilizada para amarrar Kauã e um tênis que o adolescente usava no dia em que desapareceu. De acordo com o delegado, o inquérito será enviado para a Justiça.

 “As buscas duraram oito horas e ainda continuam. Entretanto pelo terreno ser íngreme e pelas fortes chuvas, nós acreditamos que as partes do corpo foram levadas pelo rio”, explicou.  Apesar de não terem encontrado o corpo de Kauã, os policiais já possuem provas suficientes para o crime. Os dois suspeitos tinham antecedentes criminais e foram presos temporariamente no presídio de Chapecó.

Fonte: Clicsc

Segurança

Homem descumpre medida protetiva contra ex-mulher e acaba preso em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado

Segurança

Polícia apreende 400 mil maços de cigarros contrabandeados em Chapecó

O veículo, a mercadoria e o condutor foram entregues na Polícia Federal

Segurança

Menino de 13 anos morre após ser brutalmente espancado na saída de escola

Garoto tinha problemas de saúde, sofria convulsões e teria passado mal após a briga

Segurança

Começa nova etapa da remoção de veículos apreendidos em São José

Os trabalhos são realizados na Central de Plantão Policial (CPP/PCSC) de São José

Segurança

Justiça condena motorista de aplicativo que violentou estudante em Florianópolis

No trajeto motorista se aproveitou do da vítima que estava embriagada para tocar suas partes íntimas

Mais notícias

Geral

Âncora da CNN comete gafe e fala palavrão ao vivo; Veja o vídeo

Internautas não perdoaram e vídeo viralizou na web

Segurança

Homem descumpre medida protetiva contra ex-mulher e acaba preso em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado