keyboard_backspace

Página Inicial

Saúde

Santa Catarina realizará testes de vacina inédita no mundo contra toxoplasmose felina

A pesquisa é patrocinada pela empresa francesa Vaxinano, desenvolvedora do imunizante e vinculada à Universidade de Lille, na França

X
Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O Laboratório de Parasitologia e Doenças Parasitárias (Lapar), no Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Lages, realizará a avaliação de uma vacina inédita contra a toxoplasmose felina, doença para qual ainda não há imunizante.

Os protocolos para o teste de eficácia da vacina foram delineados pelo professor Andreas Lazaros Chryssafidis, do Departamento de Medicina Veterinária, que está conduzindo o estudo junto com sua equipe do Lapar. A pesquisa é patrocinada pela empresa francesa Vaxinano, desenvolvedora do imunizante e vinculada à Universidade de Lille, na França.

A empresa financiou a instalação da unidade experimental e a execução do projeto, incluindo bolsa de iniciação científica para alunos de graduação em Medicina Veterinária da Udesc Lages, um investimento de cerca de R$ 160 mil. Os testes devem cameçar assim que a primeira remessa de vacinas chegar ao Brasil.

O estudo é pioneiro na Udesc, em todo o país e no mundo. “De acordo com o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, nunca houve este tipo de parceria no Brasil. É a primeira vez que uma empresa europeia financia uma universidade pública brasileira para realizar o teste de eficácia de uma vacina experimental”, afirma Chryssafidis.

Professor Andreas Chryssafidis conduzirá testes junto com a equipe do Lapar - Foto: Fabrício Camargo

Estudos de eficácia

O professor Andreas tem vasta experiência na elaboração e execução de estudos de eficácia e, na Europa, prestava serviço para diferentes companhias da indústria farmacêutica. O desenvolvimento da vacina foi chefiado pelo professor Didier Betbeder, presidente da Vaxinano e cientista com longa carreira em pesquisas com adjuvantes vacinais baseados em nanotecnologia.

No Lapar, os testes para comprovar a eficácia do imunizante devem levar de um a dois anos. “É muito importante a Udesc estar participando desse desenvolvimento”, avalia Chryssafidis. “No futuro, poderemos desenvolver muitas coisas juntos. Esse projeto é só uma semente”, afirma.

Os estudos terão a participação de todo o grupo de pesquisa do Lapar, incluindo professores, estudantes de graduação, mestrado e doutorado. “A interação entre a iniciativa privada e a universidade pública é fundamental para o desenvolvimento da pesquisa e para que a ciência aconteça”, avalia o professor.

Não só o convênio estabelecido entre a Udesc e a empresa francesa é inédito. O imunizante que será testado foi desenvolvido em forma de spray intranasal, mais uma inovação da pesquisa. “O objetivo da vacina é estimular a memória imune celular das mucosas dos felinos para reduzir ou impedir a eliminação de oocistos nas fezes, quebrando a cadeia de transmissão do Toxoplasma gondii”, explica Chryssafidis.

Importância epidemiológica

A toxoplasmose é uma doença que pode gerar graves complicações na saúde animal e humana, principalmente em gestantes e em indivíduos com o sistema imunológico debilitado. A doença é causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, que pode ser encontrado nas fezes de gatos e outros felinos. “Mas, deve-se enfatizar que os gatos só eliminam o agente uma vez na vida e os oocistos levam pelo menos dois dias no ambiente para se tornar infectante. Então, a limpeza diária da caixa de areia dos gatos, praticamente, elimina o problema dentro de casa”, alerta o professor.

Quando os gatos são infectados pelo parasito pela primeira vez na vida, acabam eliminando oocistos nas fezes, que se espalham pelo meio ambiente e podem infectar diferentes espécies animais. Após o período inicial da infecção, o parasito entra em um estado de dormência, alojando-se por todo o corpo dos animais infectados.

“Essa é a parasitose considerada de maior sucesso no mundo porque onde há animais de sangue quente há Toxoplasma gondii”, explica Chryssafidis. O maior risco de transmissão para seres humanos é, justamente, a ingestão de carne contaminada crua ou mal passada, principalmente de animais de caça, pequenos ruminantes e suínos. “Com a quebra dessa cadeia de transmissão, tanto a saúde animal quanto a humana ficarão protegidas”, conclui o pesquisador.

Fonte: Clicsc

Saúde

Hepatite aguda: Sala de situação é criada pelo Ministério da Saúde para monitorar doença

Ministério da Saúde cria sala de situação para monitorar hepatite aguda em crianças

Saúde

Santa Catarina tem baixa procura por vacinas da gripe e sarampo

Faltando menos de um mês para o fim das Campanhas de Vacinação contra a gripe e contra o sarampo, a Secretaria de Saúde de Santa Catarina (SES) alerta para a baixa procura pelas vacinas. Até […]

Saúde

Mais um caso suspeito de hepatite misteriosa é registrado em SC

Os casos estão sendo investigados pelas Secretarias de Saúde Municipais de Itajaí e Balneário Camboriú

Saúde

Município catarinense é obrigado a oferecer serviço de saúde 24h

Ministério Público constatou que a população de Ponte Alta está sem acesso aos atendimentos de urgência e emergência determinados por lei. Município tem no máximo quinze dias para se adequar. O não cumprimento da ordem judicial pode acarretar em multa diária

Saúde

Hospital Marieta atualiza parque tecnológico para melhorar a eficiência dos atendimentos

Empresa contratada também auxiliou no projeto UTI humanitária para amenizar a angústia dos parentes e pacientes com Covid-19

Mais notícias

Segurança

Filho do ex-presidente Lula é assaltado no trânsito

Dois aparelhos telefônicos e R$ 250 reais foram levados durante a investida

Segurança

Casal é preso tentando esconde mais de 200kg de maconha em Concórdia

O casal recebeu voz de prisão e os dois foram conduzidos até a Delegacia de Polícia Civil de Concórdia