keyboard_backspace

Página Inicial

saude

Serviço de vacinação domiciliar cresce durante a pandemia

Pessoas buscam maior segurança com o serviço, mantendo em dia a vacinação e evitando exposição externa, especialmente de bebês e idosos

X
Divulgação

A importância e a necessidade da vacinação é um assunto que vem sendo amplamente discutido na atualidade. Durante a pandemia da Covid 19, muitas pessoas ficaram com receio de se exporem ao coronavírus e, por isso, passaram a buscar outras opções, entre elas, a vacinação domiciliar – uma modalidade de serviço que já existe há muito tempo, mas que ganhou força no último ano. Essa é uma das mudanças de hábito dos brasileiros que virou tendência – trazer os serviços até a residência, gerando maior comodidade e sensação de segurança.

E foi justamente essa preocupação que a empresária Vivian Carneiro, moradora de Itapema, considerou ao optar pelo serviço de imunização em casa para a caçula, Eloah, de apenas 4 meses. Vivian, que também é mãe da Helena (2 anos e 8 meses), conta que uniu praticidade e maior segurança na sua decisão. “Em tempo de pandemia, se torna muito mais seguro estar com a minha bebê em casa do que sair com ela”, enfatiza Vivian, destacando o cuidado e a atenção dispensados pela vacinadora.

A médica pediatra Christiana Grether de Souza Sá Barreto endossa o alerta da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) sobre a necessidade de manter em dia a vacinação de rotina, principalmente em tempo de pandemia. Ela destaca que a possibilidade de vacinar os filhos em casa traz segurança e ainda mais proteção, especialmente nesse momento delicado em que vivemos. “É também uma forma de evitar a exposição das crianças a outros agentes que podem causar doenças. Estar no conforto de nossas casas é sempre um bom investimento, além disso, a vacinação domiciliar fornece um ambiente mais tranquilo e humanizado, tornando a experiência mais agradável para todos”, diz.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vê com preocupação essa descontinuidade no esquema vacinal, já identificado, e, mesmo que ocorra por breves períodos, aumenta o número de pessoas suscetíveis e a probabilidade de surtos de doenças evitáveis por vacinas [como o sarampo, que já foi uma das principais causas de mortalidade infantil no país]. Por isso, a vacinação domiciliar acaba sendo uma opção – principalmente para crianças, pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, e os idosos.

O proprietário da Bravacinas, Rodrigo Fuck Giostri, ao analisar o histórico da empresa, afirma que no último ano, as restrições impostas pela pandemia, fez com que o número de pessoas procurando pela vacinação domiciliar aumentasse ‘exponencialmente’, especialmente pela questão da segurança. “O serviço domiciliar, dentro da rota de atendimento realizada na região, não tem cobrança extra”, explica o empresário.

Giostri salienta que a clínica atende todos os públicos, mas que os que mais procuram pela modalidade são mães com crianças pequenas e idosos. “É muito cômodo para as mães, principalmente com recém-nascidos, ter a nossa equipe indo até a casa. Também oferecemos nessa modalidade os testes do Pezinho e da Bochechinha. Além da proteção do bebê, o atendimento doméstico gera menos estresse para a criança”, afirma.

Bravacinas
A Bravacinas – Clínica de Vacinação, fundada há 13 anos, é referência quando o assunto é prevenção de doenças por meio de vacinas e tem se consolidado com atendimento primoroso, focado no ser humano e suas necessidades. Com unidades em Itajaí e Balneário Camboriú, a Bravacinas destaca-se no serviço de vacinação domiciliar, contemplando 11 municípios da região. A questão da qualidade não se restringe ao atendimento. A Bravacinas segue os mais rigorosos controles sanitários para garantir a segurança dos serviços oferecidos, possui uma câmara fria, com monitoramento ininterrupto e gerador próprio, mantendo os imunizantes e medicamentos acondicionados de acordo com as recomendações.

Fonte: Clicsc

saude

Campanha de Multivacinação para crianças e adolescentes inicia nesta sexta-feira (01)

Vacinas do calendário de rotina estarão disponíveis nas 30 unidades de saúde do Município, a partir das 13h

saude

Surto da doença da ‘urina preta’, faz estado proibir consumo de peixes

São mais de 50 casos da síndrome de Half, conhecida como doença da urina preta

Mais notícias

Geral

Menino quebra protocolo para ganhar solidéu do Papa Francisco no Vaticano

Um menino roubou a cena nesta quarta-feira (20) ao quebrar o protocolo e ir falar com o papa Francisco durante sua audiência geral no Vaticano. O garoto de cerca de 10 anos aproximou-se do pontífice […]