keyboard_backspace

Página Inicial

Economia

Plantio de coca deve ser substituído pelo açaí em áreas da Colombia

Plano foi apresentado pelo governo do Departamento de Putumayo a empresários brasileiros durante missão de intercambio

X
Siga-nos no google-news

Agricultores que na Colômbia eram responsáveis por “cultivos ilícitos”, como o plantio das folhas de coca, por exemplo, podem passar a ser responsáveis pelo cultivo de açaí no Departamento de Putumayo, uma região do país equivalente a um estado no Brasil. A informação foi repassada pelo governador do Departamento a uma missão de empresários e técnicos do governo do Estado do Pará, no último dia 22.

A comitiva, liderada pelo empresário Reinaldo Pinto dos Santos, CEO da Açai KAA, e pelo Diretor da Sedap (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuária e da Pesca) do Pará, Manoel Luiz da Silva Rendeiro, foi conhecer equipamentos e alternativas para ampliar a capacidade de colheita do açaí nas florestas brasileiras. E voltou de lá com uma excelente proposta de intercambio de ajuda mutua, com troca de experiências e investimentos já que o açaí colombiano é mais produtivo do que o brasileiro.

O governador de Putumayo, Carlos Andrés Marroquín Luna, destacou o cultivo de açaí como uma decisão estratégica para o departamento, visando transformar a economia local e oferecer novas oportunidades de renda. “Nossa visão é substituir as culturas ilícitas por alternativas sustentáveis que possam garantir o bem-estar das nossas comunidades”, afirmou

A visita da comitiva brasileira, segundo o empresário Reinaldo Santos, incluiu encontros de trabalho em Bogotá, Puerto Asis e Mocoa, onde a comitiva teve a oportunidade de observar o uso de cabovias para a coleta de açaí — uma tecnologia que poderia ser adaptada para melhorar a logística de colheita na Amazônia brasileira. “Estamos buscando soluções que possam ser aplicadas em nossa região para otimizar a extração e o transporte do açaí, aproveitando mais dos frutos que hoje são deixados nas matas”, explicou.

Além de conhecer as operações da empresa CorpoCampo, que já processa açaí na região, a delegação discutiu a possibilidade de implantar sistemas similares de transporte em áreas remotas da Amazônia. A tecnologia de cabovia, mostrou-se um modelo de eficiência e baixo custo que atraiu interesse dos colombianos.

“A parceria entre Brasil e Colômbia também poderá envolver a colaboração acadêmica e técnica, visando aprimorar o cultivo de diferentes variedades de açaí, como a Euterpe oleracea cuatrecaseana, que promete alta produtividade e adaptabilidade às condições locais”, complementou o Ceo do Açai Kaa.

Fonte: Clicsc

Sobre o autor:
Redação
Redação ClicSC
Clicsc é um portal com notícias e reportagens sobre o dia a dia de Santa Catarina fundado em 2017.
Economia, Negócios

CEO da Vektor Energia participa de evento sobre transição energética em Cuiabá

Sandro Bittencourt de Souza destacou a contribuição do mercado livre de energia para a transição energética no Brasil durante o XII Seminário de Energia e Transição Energética, organizado pelo Sindenergia-MT

Economia

Grupo Koch inaugura nova loja em Bombinhas

Novo Komprão oferece estrutura moderna e descontos especiais para clientes

Economia

Festival de Fraldas: Fort Atacadista oferece descontos especiais em itens para bebês

Promoção é válida a partir do dia 6 de maio e segue até o próximo dia 19 em todas as unidades da rede

Economia

Abertura do mercado livre para o Grupo B pode gerar economia de R$ 35 bi

Pesquisa revela que famílias e pequenas empresas podem se beneficiar da abertura do mercado para rede de baixa tensão

Economia

Sicredi Vale Litoral SC destina mais de R$ 27 milhões de resultados aos seus associados

Cooperativa devolve aos seus associados a participação dos seus resultados com base nos produtos e serviços utilizados no último ano

Mais notícias

Geral

Azul e Gol anunciam acordo para compartilhar voos domésticos

Compartilhamento só vale para rotas exclusivas de cada companhia

Geral

Tragédia no RS já soma R$ 1,67 bilhão em indenizações de seguros

Valor ainda está distante de representar real dimensão dos prejuízos