keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Ministério Público quer pena mais dura para ex-prefeito condenado por improbidade administrativa

Para o Ministério Público, o caso demanda o aumento da multa estipulada para 10 vezes o salário que o Prefeito recebia na época

X
Foto: O Município

Apesar de ter obtido a condenação do ex-Prefeito de Botuverá José Luiz Colombi pela prática de ato de improbidade administrativa, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) recorreu da sentença de primeiro grau por considerar a pena muito branda diante da gravidade do ato praticado.

A ação da 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Brusque relata que em 2013, quando Prefeito de Botuverá, Colombi solicitou, informalmente – sem licitação e sem contrato -, que os engenheiros Maicon Anderson de Souza e Jaison Homero de Oliveira Knoublauch elaborassem projetos de pavimentação asfáltica de ruas da cidade, mediante a promessa de que, posteriormente, “daria um jeito” de adimplir a dívida.

Mais tarde, Colombi instaurou uma licitação para contratar os mesmos projetos de pavimentação e direcionou o certame para a empresa Triângulo, de propriedade os dois engenheiros e representada na licitação por Jaime Flávio da Silva Cesari, a fim de pagar os dois engenheiros pelos projetos já elaborados.

O Juízo da Vara da fazenda Pública da Comarca de Brusque reconheceu a prática do ato ímprobo, mas sem a lesão ao erário apontada pelo Ministério Público, e aplicou a Colombi a pena de multa de três vezes a remuneração mensal recebida como Prefeito e proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de três anos. A mesma pena foi aplicada ao representante da empresa no processo licitatório. Já os engenheiros foram condenados ao pagamento de multa de uma vez a remuneração mensal do Prefeito e proibição de contratar com o poder público por três anos.

Para o Ministério Público, entretanto, o caso demanda o aumento da multa estipulada para 10 vezes o salário que o Prefeito recebia na época, além da aplicação da penalidade de suspensão dos direitos políticos por no mínimo três anos, previstas no art. 12, III, da Lei de Improbidade, pois a conduta praticada reveste-se de extrema gravidade.

“Afinal, é revoltante observar que, conforme deduzido, comprovado e julgado, o então Prefeito Municipal de Botuverá agindo em contrariedade a todas as normas da boa gestão, não só contratou “informalmente” dois engenheiros, mas, também, com o objetivo de saldar a dívida contraída, fraudou uma licitação”, considera a 3ª Promotoria de Justiça.

Para a Promotoria de Justiça, ao limitar a condenação em um caso como esse, a pena aplicada serve, reflexamente, como um estímulo para que, no futuro, esse e outros mandatários continuem a agir da mesma forma. “Os fatos são gravíssimos e também, logo, graves devem ser as sanções. O então Prefeito há de ter a multa majorada e seus direitos políticos suspensos, pois, afinal, demonstrou não ser dotado dos requisitos mínimos de probidade para exercer funções políticas”, completa.

Sustenta o Ministério Público que o mesmo raciocínio se aplica aos demais réus, mas, em relação a eles, que não exerciam cargo público, entende que é suficiente o aumento da multa aplicada para o patamar de 10 vezes o salário recebido pelo Prefeito na época dos fatos.

Assim, a Promotoria de Justiça requer que o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (MPSC) reforme a sentença de primeiro grau para aplicar uma pena compatível com a gravidade do ato ímprobo praticado. O recurso de apelação foi ajuizado pelo MPSC nesta segunda-feira (12/4) e ainda não foi julgado. (Ação n. 0900237-40.2017.8.24.0011)

Fonte: Clicsc

Política

As eleições de 2014 continuam gerando debates jurídicos

Leia na Coluna Esplanada de hoje, direto de Brasília

Política

A corrida de brasileiros para os EUA em busca da vacina

Leia na Coluna Esplanada de hoje direto de Brasília

Política

Prefeito assina ordem de serviço para pavimentação do Morro de Zimbros em Bombinhas

O prefeito agradeceu à Deputada Paulinha pela emenda na ordem de R$10 milhões, destinados aos municípios de Bombinhas e Porto Belo

Política

Cinco ex-ministros bolivianos pedem refúgio político no Brasil

Leia na Coluna Esplanada de hoje direto de Brasília

Mais notícias

Segurança

Polícia recupera R$15 mil em mercadorias furtadas de hospedagem

A ação policial foi das Delegacias da Comarca de Ituporanga e do município de Vidal Ramos

Segurança

Modelo diz que “brincadeira de mau gosto” causou morte de MC Kevin

Modelo postou informações nos stories e depois apagou relato