keyboard_backspace

Página Inicial

mundo

Cientistas ‘descongelam’ 13 vírus adormecidos há 48 mil anos e fazem alerta

O degelo do permafrost é um dos efeitos mais temidos da crise climática na Terra.

X
Foto: Divulgação
Siga-nos no google-news

Parece roteiro de filme. Cientistas ‘descongelaram’ vírus congelados há milhares de anos para estudá-los. O objetivo, segundo os pesquisadores, é de que esta é uma forma de impedir que o irreversível degelo do hemisfério Norte da Terra, impacto do aquecimento global, surpreenda a humanidade com uma pandemia causada por “vírus zumbis”.

Foi o que pesquisadores da Universidade de Marseille, na França, realizaram com amostras antigas de patógenos adormecidos há 48,5 mil anos presentes em permafrost, um tipo de solo permanentemente congelado, da Sibéria. O grupo constatou que os vírus permaneciam com potencial para causar infecções.

A pesquisa, publicada na plataforma BioRxiv, se concentrou em sete amostras contendo 13 novos vírus isolados e que infectam um tipo de ameba chamada Acanthamoeba spp. Ela foi escolhida por funcionar como uma isca para vírus com potencial infeccioso, mas sem oferecer riscos para as culturas, animais ou humanos. Por mais que pareça assustador reviver patógenos adormecidos, o procedimento utiliza padrões avançados de biossegurança.

Poucos estudos se aventuraram em investigar bactérias, vírus e outros microrganismos adormecidos por estarem congelados a até um milhão de anos. O grupo francês pesquisou o tema em 2014 e 2015 com amostras inertes por 30 mil anos e, esta análise, apresentada neste mês, é considerada um avanço: a amostra foi maior e os vírus estavam adormecidos há mais tempo do que nas avaliações anteriores.

“Este estudo confirma a capacidade de grandes vírus de DNA que infectam Acanthamoeba permanecerem infecciosos após mais de 48.500 anos passados ​​em permafrost profundo”, escreveram os autores sobre os achados.

Os cientistas afirmaram que é sabido que uma epidemia causada por uma “bactéria pré-histórica”, em um episódio de degelo, poderia ser controlada com o arsenal de antibióticos que a humanidade tem à disposição. O problema seria a disseminação de um vírus. “Como infelizmente bem documentado por pandemias recentes (e em andamento), cada novo vírus, mesmo relacionado a famílias conhecidas, quase sempre requer o desenvolvimento de respostas médicas altamente específicas, como novos antivirais ou vacinas”, alertaram.

Fonte: Clicsc

Sobre o autor:
Brunela
Brunela Maria
Brunela Maria é jornalista desde 2011 e formada pelo Centro Universitário IESB, em Brasília. Trabalhou no Notícias do Dia, em Florianópolis e na Record TV Brasília. Atua como repórter no portal ClicSC.
mundo

ONU alerta sobre risco de aquecimento global chegar a quase 3ºC

Até o início de outubro de 2023, foram registrados 86 dias com temperaturas 1,5°C acima dos níveis pré-industriais

mundo

Devastação em Acapulco: Furacão arrasa México com ventos de 315 km/h

O furacão Otis foi categorizado como categoria 5, a máxima na escala de ventos Saffir-Simpson

mundo

Caso Madeleine McCann: Promotoria alemã diz ter encontrado itens que podem estar ligados ao caso

Autoridades portuguesas iniciaram novas buscas junto a um reservatório em Silves, localidade do Algarve, onde a britânica passava férias com a família

mundo

Joiás raras: Coroa de Charles III tem mais de 400 pedras preciosas

Na festividade, Charles recebeu a Coroa de Santo Eduardo, usada para coroar monarcas britânicos desde o século XIII

mundo

Policial fotografa Óvni fugindo de aeronave das forças armadas nos EUA

“Aquela coisa devia estar se movendo a pelo menos 800Km/h", diz o policial

Mais notícias

Geral

Multinacional sul-coreana é anunciada como patrocinadora master do O Negócio da Moda (ONDM) em Balneário Camboriú

Hyosung Creora participará pela primeira vez do evento que será realizado nos dias 22, 23 e 24 de outubro, no Expocentro, em Balneário Camboriú (SC); edição recente ocorrida em Goiânia movimentou cerca de 5 mil pessoas 

Segurança

Falta de mão de obra na construção civil preocupa mercado imobiliário

Projeções indicam que o Brasil pode enfrentar um apagão de profissionais em uma década